No artigo anterior da série “Como melhorar as estimativas em projetos”, mostramos uma forma de fazer estimativas de trabalho usando a técnica comparativa. Uma deles é a utilização da sequência de Fibonacci (1, 3, 5, 8 e 13). Nesse novo artigo, iremos um pouco além da utilização do Fibonacci..

Essa técnica é proveniente do SCRUM e é chamada de Pôquer do planejamento. Conceitualmente é a junção da técnica Delphi, onde especialistas fornecem feedbacks anônimos de forma a não “contagiar” o palpito dos demais, junto a utilização do método de comparação. Vamos ver isso na prática.

O efeito “cascata informativa”
Antes de mais nada, é preciso conhecer um fenômeno que acontece a todos nós. Esse fenômeno se chama efeito “cascata informativa”. O efeito “cascata informativa”, basicamente, faz com que indivíduos considere o comportamento de pessoas a sua frente para tomar suas decisões sem, necessariamente, considerar suas próprias opiniões. Exemplo: Se um professor te reprovar em uma redação, o outro professor que for corrigir a sua mesma redação e souber da sua situação anterior, provavelmente também te reprovará. Esse é o efeito “cascata informativa”.

Estou comentando isso para deixar claro que se você tem uma equipe e quer que todos contribuam para estimativas de esforço de trabalho, você precisa fugir do efeito “cascata informativa”, ou senão, suas estimavas irão pender sempre para um lado.

Técnica Delphi
A técnica Delphi é útil justamente pois ela foge desse efeito, já que os feedbacks são colhidos anonimamente, ou seja, ninguém sabe o palpite dos demais especialistas. O único problema dessa técnica é que ela é um pouco morosa e estamos aqui querendo agilidade ao processo, pois assim que surgiu o pôquer do planejamento.

Pôquer do planejamento

Conforme comentado anteriormente, o Pôquer do Planejamento é a união da técnica Delphi e o modelo comparativo usando Fibonacci. A ideia é que cada um da sua equipe tenha em mãos essas cartas e use-as semelhante a um jogo de baralho, ou melhor, um jogo de Pôquer. A cada tarefa a ser estimada, todos na equipe escolhem uma carta respectiva ao esforço empregado para realizar tal tarefa e virem simultaneamente.

Essa ação fará você ter o feedback de todos sobre a estimava de esforço que tal tarefa irá levar e sem a influência dos demais. Caso você tenha estimativas muito divergentes como um 13 e um 3, peça para que essas pessoas compartilhem o porquê dessas opções, e assim, avalie e refaça a rodada. O ideal é que as estimativas variem em um ponto acima ou abaixo. Exemplo: Rodada de 13, 8 e 5, ou 1,3 e 5, e assim por diante.

Ao final, faça a somatória dos pontos e ache a média. Essa é a quantidade de pontos que a tarefa irá levar e assim você utiliza a ideia de sprints comentada no artigo anterior.

Fonte:

SUTHERLAND, Jeff.

SCRUM. A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo.